segunda-feira, 31 de maio de 2010

Brasil passa a China e tem segundo maior crescimento global


O Brasil deve ocupar o segundo lugar no ranking das maiores taxas de crescimento do mundo no primeiro trimestre, à frente até mesmo da China.

O dado oficial só será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na semana que vem, mas, levando-se em conta as projeções do mercado financeiro, já é possível cravar que o País será um dos líderes em expansão no período.

O Itaú Unibanco, por exemplo, estima uma alta do Produto Interno Bruto (PIB) de 3% nos três primeiros meses do ano, na comparação com o quarto trimestre do ano passado. É uma das projeções mais elevadas de todo o mercado. Em um cálculo anualizado,ou seja, assumindo que o ritmo se manteria pelo resto do ano, seria o equivalente a crescer 12,6% em 2010.

Para ter uma ideia, a China se expandiu a um ritmo anual de 11,2% entre janeiro e março. O líder do ranking deve ser a Índia, que avançou a uma taxa anual de 13,4%. Os Estados Unidos, que ainda lutam para se recuperar da forte crise que atingiu o país em 2008, cresceram 3%.

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, observa que há risco de a expansão brasileira no trimestre ser ainda mais forte. O departamento econômico da instituição calcula a alta do PIB mensalmente. Considerando os resultados de janeiro, fevereiro e março nesse levantamento, o crescimento no trimestre seria de 3,6%. Ele admite que os próprios analistas se surpreenderam com o número. Por isso, preferiram optar por uma estimativa mais conservadora.

Independentemente da posição do Brasil nesse hipotético ranking global, o fato é que a expansão no trimestre foi bastante superior ao que praticamente todos os analistas esperavam. Por isso, sem uma única exceção, eles projetam uma desaceleração daqui para a frente.

O próprio Itaú acredita que o ritmo de crescimento do PIB vai cair da faixa de 12% para algo como 4% ou 5% no último trimestre do ano. É essa freada que explica a projeção de alta para 2010 inteiro, hoje em 7,5%.

Os especialistas argumentam que, nesse cenário, a expressiva desaceleração é bem-vinda. O Brasil, dizem, não consegue crescer a uma taxa superior a 4% ou 5% de forma sustentável, ou seja, sem uma alta da inflação para um nível acima da meta estabelecida pelo governo e/ou sem abrir um rombo nas contas externas.

"O risco de acelerar demais é sair da estrada e ser obrigado a voltar para trás para retomar a rota", diz o economista-chefe da Sul América Investimentos, Newton Rosa. Por isso, avalia, o Banco Central (BC) acertou ao iniciar no mês passado o ciclo de elevações da taxa básica de juros (a chamada Selic subiu de 8,75% para 9,50% ao ano).

Se o BC demorasse para agir, diz Rosa, seria obrigado a retrair a economia de uma forma mais intensa, o que poderia causar até mesmo retração do PIB em algum trimestre.

Festival de Música de Tarituba

Acesse o site www.festivaldemusicadetarituba.com.br e fique por dentro!!!



Aumenta adesão de empresas metalúrgicas à licença-maternidade de 6 meses


Um levantamento preliminar realizado pela Secretaria da Mulher da FEM/CUT-SP junto aos sindicatos filiados mostra que tem aumentado a adesão das empresas metalúrgicas ao Programa "Empresa Cidadã", criado pela Lei Federal 11.770 em janeiro deste ano.

A nova lei garante às trabalhadoras a extensão da licença-maternidade de 120 dias (quatro meses) para 180 dias (seis meses) e para a empresa participante dedução de impostos (mais informações no boxe abaixo). Com a finalidade de divulgar a importância desta nova lei, o ramo metalúrgico cutista lançou a Campanha "Dá licença! Queremos 180 dias", no dia 8 de março, durante o 2º Congresso da Mulher Metalúrgica do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Na sondagem preliminar da Federação, na base do Sindicato dos Metalúrgicos de Itu cerca de 80% das trabalhadoras já foram contempladas pela ampliação da licença maternidade. "As maiores empresas da nossa base já aderiram. É importante que esta portaria da Receita Federal também atenda às micro e pequenas empresas que trabalham na modalidade do simples", observa o presidente do Sindicato, Dorival Jesus do Nascimento. Em Itu, o Sindicato representa 14,630 mil metalúrgicos na região, sendo que 36% são mulheres.

Na região de Sorocaba, o Sindicato dos Metalúrgicos divulgou que a Flextronics, considerada a maior fabricante de equipamentos eletroeletrônicos do mundo, também aderiu à Campanha , beneficiando cerca 3.200 trabalhadoras metalúrgicas. "Esta lei é importante e temos intensificado a divulgação na nossa base", ressalta o presidente do Sindicato, Adenilson Terto da Silva.

Já na região do ABC paulista a Campanha está a todo vapor. As empresas metalúrgicas Toledo, SMS, Rolls-Royce, Uniforja (cooperativa de trabalhadores) e Itaesbra já aderiram à Campanha.

Segundo o Sindicato, todas as empresas da base já receberam a pauta de reivindicação para ampliar a licença maternidade de quatro meses para seis meses. "Nosso desafio é, em um prazo de três meses, garantir que a maioria das trabalhadoras conquiste esse direito", afirma Sérgio Nobre, presidente do Sindicato.

Benefícios à mulher e à criança

A Secretária da Mulher da FEM/CUT-SP, Rosimar Dias Machado (Rosi), reforça que é importante que os todos sindicatos metalúrgicos filiados divulguem a Campanha "Dá licença: Queremos 180" nas suas bases. "Os benefícios estão comprovados cientificamente. Por exemplo, a amamentação de seis meses reduz 17 vezes as chances de a criança contrair pneumonia", explica.


A sindicalista ainda ressalta que segundo a Organização Mundial da Saúde o aleitamento materno no período de seis meses também ajuda a reduzir o risco de desenvolvimento de tumores de mama e de ovário. "Ampliar a licença maternidade para 180 dias significa valorizar a vida e, portanto, é fundamental que as empresas participem", frisou.

Conheça o "Empresa Cidadã"

O Programa "Empresa Cidadã" foi sancionado pelo governo federal em 9 de setembro de 2008 (Lei 11.770) criando a possibilidade de extensão da licença maternidade para um período de até 180 dias. Somente no final de 2009, foi publicado decreto regulamentando a legislação.

Em janeiro deste ano, a Receita Federal divulgou portaria informando que esta nova lei amplia a licença maternidade em 60 dias se o empregador aderir, voluntariamente, ao programa Empresa Cidadã.

As vantagens são as deduções de impostos, por exemplo, a empresa participante pode deduzir integralmente o Imposto de Renda que pagou à trabalhadora pela prorrogação. Os outros 120 dias já são pagos pela Previdência Social. As empresas interessadas podem entrar em contato com os sindicatos metalúrgicos filiados à FEM/CUT-SP.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

O "pequeno" vazamento da British Petroleum












IBGE: Desemprego em abril é o menor para o período desde 2002


A taxa de desemprego ficou em 7,3% em abril, o menor nível para o período desde o início da nova série da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), em março de 2002. Na comparação com abril do ano passado (8,9%), a taxa caiu 1,6 ponto percentual. O desempenho de abril vale para o conjunto das seis regiões metropolitanas pesquisadas e para cada uma delas separadamente.

Os dados divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o contingente de desempregados em abril, de 1,7 milhão de pessoas, não oscilou em relação a março, mas recuou 16,4% na comparação com abril de 2009.

A população ocupada (empregada) em abril, de 21,8 milhões de trabalhadores, também ficou estável frente ao mês anterior, enquanto no confronto com abril do ano passado cresceu 4,3%, acrescentando mais 907 mil postos de trabalho ao mercado em um ano.

Comportamento semelhante ocorreu para o total de trabalhadores com carteira de trabalho assinada (10,1 milhões de pessoas) em abril, que não variou na comparação mensal, porém aumentou 7,5% no confronto anual, com mais 704 mil postos de trabalho com carteira assinada.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores – R$ 1.424,10 – ficou estável em abril na comparação com março. Entretanto, frente a abril do ano passado – R$ 1.392,65 –, houve ganho de 2,3%.

Segundo o IBGE, a massa de rendimento real habitual dos empregados – R$ 31,4 bilhões –, referente a abril, subiu 0,6% no mês e 6,6% no ano. A massa de rendimento real efetivo – R$ 31,2 bilhões --, referente a março de 2010, aumentou 1,0% no mês e 7,3% no ano.

O rendimento domiciliar per capita, de R$ 930,59, registrou queda de 0,4% em relação a março e ganho de 2,4% na comparação com abril de 2009.

Regionalmente, as taxas de desocupação não apresentaram variações significativas em abril, em relação a março. Frente a abril de 2009, foram registrados declínios de 2,5 pontos percentuais na região metropolitana de São Paulo, de 1,0 ponto percentual em Belo Horizonte e de 0,9 ponto percentual no Rio de Janeiro.

Petrobras quer exportar bioenergia para a Europa a partir da África


O diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia (MME), Ricardo de Gusmão Dornelles, disse hoje (27) que a Petrobras Biocombustíveis pretende investir na África para produzir bioenergia a ser exportada à Europa.

Ele deu a informação à Agência Brasil após participar de uma debate sobre energias renováveis, no 27º Fórum Brasil Europa, promovido pela Universidade Brasília (UnB) em parceria com instituições internacionais.

“A África é uma das prioridades da política externa brasileira, e a Petrobras Biocombustíveis tem a meta de atuar internacionalmente. Queremos nos aproximar de forma proativa da África, e os biocombustíveis são uma das alternativas possíveis de desenvolvimento sustentável para as camadas mais carentes do continente”, disse Dornelles.

“Dessa forma, queremos criar condições de promover um arranjo de cooperações, visando abastecer a Europa com a bioenergia que será produzida lá, gerando empregos e renda na África. Isso pode ser feito por meio da bioenergia”, acrescentou.

Os investimentos da estatal, previstos para biotecnologia e biocombustíveis como etanol e biodiesel, são de US$ 2,8 bilhões. Desse total, US$ 2,4 bilhões são da Petrobras Biocombustíveis e US$ 400 milhões serão destinados pela Petrobras. Dornelles, no entanto, não precisou os valores que serão dedicados à África. “Sabemos que vamos investir inicialmente em Moçambique, mas ainda não definimos quanto.”.

A Petrobras está acertando os últimos detalhes para a compra de 47,5% do Grupo Guarani, dono de seis usinas de açúcar no Brasil e uma em Moçambique, para viabilizar sua atuação na África

“Há restrições hídricas no Norte do continente africano, mas na Região Central esse potencial é maior, e abrange países como Moçambique, Tanzânia e Botsuana, além da África do Sul”, informou o diretor do MME.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Inclusão Digital no Brasil


A Inclusão Digital fomentando discussões, mundo a fora.
Referência: http://imasters.uol.com.br/artigo/5004/a_inclusao_digital_no_brasil

A inclusão digital é um assunto muito comentado nos meios de comunicação, e vem sendo discutido no cenário político, fazendo com que ações, projetos e programas sociais sejam elaborados e implantados em diversos países no mundo.

As tecnologias ao longo da história…

Ao longo da história, novas tecnologias têm tido o poder de influenciar o comportamento da sociedade, assim como os telefones, o rádio, a televisão, e agora, com um pouco mais de 1 década, a internet.

Os excluídos na Era da Informação

A nova era que vivemos, a era da informação, possibilita a nós, o uso de diversas soluções digitais eficazes que beneficiam muito o nosso dia-a-dia. Porém, milhões de pessoas são classificadas como excluídos digital, não obtendo acesso às redes de comunicação interativas através de computadores conectados à internet.

As consequências: Desigualdades Sociais

A exclusão digital reflete na sociedade trazendo consequências culturais, sociais e econômicas, visto que a distribuição desigual da tecnologia, acesso a computadores conectados a internet beneficia apenas um determinado número de pessoas. 

Três pilares formam um tripé fundamental para que a inclusão digital aconteça: TIC’s, renda e educação”. (Silva Filho, Antônio Mendes de).

Os valores

A inclusão digital basicamente é a iniciativa de fazer com que a sociedade obtenha conhecimento mínimo para utilizar os recursos da tecnologia da informação e de comunicação (TIC), bem como ter e utilizar os recursos físicos, tais como os computadores com acesso à internet.

Iniciativas Governamentais

Muitas iniciativas foram tomadas, dentre uma delas:
o governo tomou a iniciativa de disponibilizar laboratórios de informática nas escolas brasileiras;
e o acesso à internet com banda larga.

Porém, só equipar, não resolve…

Embora o aumento de computadores nas escolas públicas no Brasil venha aumentando a cada ano, a pesquisadora Neide de Aquino Noffs, da Faculdade de Educação da PUC-SP, diz que a inclusão digital nas escolas da rede pública ainda não é uma realidade. "O laboratório de informática existe, mas não é usado com freqüência. Não é uma atividade rotineira para os alunos; não é como a biblioteca, que fica aberta o tempo todo", afirma Noffs.

O que mais é preciso?

Para que a inclusão digital tenha êxito, seria necessário:
a capacitação dos professores para que a aula seja integrada ao uso dos computadores.
→ Alguns exemplos de sucesso são ocorridos em escolas particulares, que contratam monitores que são responsáveis pela manutenção dos laboratórios, estando disponíveis para o acesso aos laboratórios; além disso, os professores têm o auxílio deste para prepararem suas aulas com os recursos.

Os telecentros

Outra iniciativa é o projeto dos Telecentros de São Paulo/SP, que teve seu início nos meados de 2001. A prefeita Marta Suplicy assinou um decreto que permitiu a criação da Coordenadoria do Governo Eletrônico, órgão responsável pelas políticas públicas de inclusão digital; sendo o primeiro telecentro no bairro Cidade Tiradentes.

Um ideal possível:

O acesso à internet deve ser democratizado, visto que é um robusto banco de informações e serviços e deve ser disponível à toda sociedade brasileira.

Ensino profissional aumenta chance de emprego em quase 50%


Uma pessoa que conclua curso profissionalizante tem quase 50% mais chance de conquistar emprego do que aquela que estudou até o ensino médio. Além disso, quem tem o ensino profissional aumenta em 38% a possibilidade de trabalhar com carteira assinada e de ganhar salário 13% maior.

Essas conclusões fazem parte de estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas em parceria com o Instituto Votorantim para analisar os impactos da educação profissional no mercado de trabalho.

Denominado “Educação Profissional e Você no Mercado de Trabalho”, o trabalho cruzou dados de duas pesquisas do IBGE e examinou a situação de pessoas que fizeram cursos de qualificação profissional, ensino médio técnico e graduação tecnológica.

Nos últimos seis anos, o número de profissionais de nível técnico cresceu 75,6% e chegou a 29 milhões. “A quantidade de cursos profissionalizantes avançou significativamente, sem que perdêssemos a qualidade dos cursos”, destacou Marcelo Neri, coordenador do estudo.

Entre as pessoas que frequentaram cursos de educação profissional, 23,5 milhões – a imensa maioria – realizou a qualificação profissional. Em segundo lugar aparecem os profissionais formados no ensino médio técnico, 5,1 milhões, e depois os os graduados em cursos superiores técnicos, 160 mil.

A pesquisa apontou os estados, capitais e periferias urbanas onde os profissionais de nível técnico são mais bem pagos. No Distrito Federal o salário médio é de R$ 1.403, seguido por Santa Catarina, com média mensal de R$ 1.037 e São Paulo (R$ 1.004). Vitória (ES) é a capital que melhor remunera os profissionais técnicos com R$ 1.724 de salário médio, seguida por Florianópolis (SC) com a remuneração mensal média de R$ R$ 1419 e por Brasília com R$ 1.403.

“Os jovens precisam se conscientizar de que os retornos em educação são altíssimos”, recomendou Marcelo Neri. Ele também destacou que famílias com histórico baixo de educação tendem a ter filhos com níveis igualmente precários.

“A revolução da educação está nas casas e não nas escolas. Os jovens têm que ser conquistados para a ideia de que vale a pena estudar. Precisam saber que a educação formal é fundamental, enquanto a profissional é um up grade em suas vidas.”

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Governo lança livretos para reforçar combate ao trabalho escravo


O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, lançou ontem (25), durante a abertura do 1º Encontro Nacional para a Erradicação Trabalho Escravo, dois livretos que serão distribuídos em todo o país com informações e dados atualizados para esclarecer a população sobre essa prática criminosa que, apesar dos esforços do governo e da sociedade, persiste de forma vigorosa, especialmente nas atividades agropecuárias em alguns estados.

Em linguagem simples e didática, um dos libretos apresenta os conceitos, definições e legislações que caracterizam e punem o trabalho escravo, enquanto o outro, em formato de perguntas e respostas, compila números e informações sobre a prática, enumera as ações do governo para combatê-la e explica como fica a situação trabalhista das pessoas resgatadas durante ações de fiscalização do Ministério do Trabalho.

O Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo, lançado em 2003, será avaliado no Iº Encontro Nacional que reúne, até amanhã, no auditório da Procuradoria Geral da República, as principais autoridades nacionais e internacionais no assunto. Estão em pauta, ainda, discussões sobre o papel do Legislativo, a responsabilidade dos empresários no combate ao trabalho escravo e manifestações pela aprovação da proposta de Emenda Constitucional que prevê o confisco de terras onde for flagrada a prática criminosa.

A exploração do trabalho escravo é considerada crime, no Brasil, desde 1940, mas apenas em 2003 a legislação estabeleceu quais práticas caracterizam esse crime para fins de punição pelo Código Penal. Naquele ano, o primeiro do Governo Lula, o país lançou o Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e hoje já atingiu quase 70% de suas metas. Uma das principais foi o aumento da fiscalização e capacitação de agentes públicos para o combate a esse tipo de crime e conscientização dos trabalhadores sobre os seus direitos, ações que resultaram no resgate de 30.659 trabalhadores. Entre 1995 e 2002 foram 5.893.

Moção de Aplausos para o FOME ZERO

O programa FOME ZERO recebeu uma Moção de Aplausos da Câmara Municipal de Angra dos Reis, por indicação do Vereador Cordeiro. O FOME ZERO desenvolve diversas atividades sociais na região de Angra.




terça-feira, 25 de maio de 2010

Cuidados com o corpo e com a alma


O corpo físico, formado a partir do encontro do espermatozóide com o óvulo e o Espírito, ser pré-existente, ligando-se a ele a partir do mesmo encontro, através do perispírito (corpo que o envolve), constituem o homem.

O primeiro recebe as impressões do mundo exterior que levadas à alma (Espírito encarnado) pelo perispírito, são por ela percebidas, interpretadas, emitindo, então, as reações, as respostas ao corpo, pelo mesmo veículo.

O segundo, individualização do princípio inteligente do universo, imortal, encarna-se em mundos materiais para desenvolver-se e, ao mesmo tempo, cooperar no desenvolvimento da matéria, do mundo material.

Sendo o corpo e alma de naturezas diferentes e necessitando um do outro para desenvolver-se, o perispírito é o elemento indispensável para que ambos se relacionem e se influenciem.

O corpo, ser material orgânico que nasce, cresce, reproduz-se e morre, para exercer suas funções, dentre as quais manter seu funcionamento e sua sobrevivência, tem atributos, aptidões e necessidades próprias, que ele busca satisfazer, automaticamente, de forma instintiva.

A alma, ser espiritual, que sente, pensa, decide, age e se expressa no mundo material através do corpo, tem também atributos, aptidões e necessidades que lhe são próprias, que a impulsionam a uma evolução contínua, de forma consciente e inteligente.

Enquanto o corpo tende a satisfazer-se, a alma, como ser moral tem de desenvolver-se, educando-se usando os recursos compatíveis à finalidade desse desenvolvimento, que é alcançar a perfeição possível e a felicidade. E o corpo é o instrumento que a alma tem para esse trabalho.

Enquanto a existência durar, ambos devem trabalhar juntos, buscando viver em equilíbrio.

Na Introdução, em O Livro dos Espíritos, Allan Kardec escreve: "O Espírito encarnado está sob a influência da matéria. O homem que supera essa influência pela elevação e purificação de sua alma, aproxima-se dos Bons Espíritos, com os quais estará um dia. Aquele que se deixa dominar pelas más paixões e põe todas as suas alegrias na satisfação dos apetites grosseiros, aproxima-se dos Espíritos impuros, dando predominância à natureza animal".

Percebemos neste trecho, que o homem tem a influenciá-lo duas naturezas: a do corpo e a do Espírito e que este pode sobrepor-se à influência daquele, apesar de ambos estarem interligados, sendo afetados, reciprocamente, pelo que acontece com um ou com outro.

Como pois, podem ambos viver em harmonia, sendo de naturezas diferentes e tendo atributos, aptidões e necessidades também diferentes?

O Espiritismo, demonstrando as relações existentes entre corpo e alma, esclarece que os dois são, reciprocamente necessários, sendo pois, indispensável cuidar bem de ambos. Sendo o corpo instrumento de evolução para o Espírito, é preciso conhecer as suas necessidades, satisfazê-las sem prejudicar as necessidades da alma, que é quem sente, pensa e age.

O homem, sabendo-se Espírito imortal, mas não sendo ainda obra acabada, tendo de completar-se através do desenvolvimento dos seus atributos, tem de assumir sua evolução, com discernimento, no uso dos recursos que o viver na Terra lhe propicia, dentre os quais, o corpo se destaca como imprescindível.

Assim, a vida corporal, sendo apenas uma passagem na vida do Espírito imortal, deve ser vivida, primordialmente, em função desse Espírito e não em função do corpo, que deve ser amado, cuidado, satisfeito nas suas necessidades, respeitado como instrumento precioso que é, mas, não como preocupação primeira e maior da existência.

O ponto de partida pelo qual devemos encarar a vida terrena é, justamente, colocarmo-nos, pelo pensamento, na vida espiritual, que é infinita. Quando assim se faz, dá-se à vida material e aos seus acontecimentos, o seu valor real, sem exageros, sem excessos.

O corpo, que irá desfazer-se pela morte, será, então, valorizado pela sua importância para a evolução do Espírito. Não será menosprezado, depreciado, nem colocado acima do ser espiritual, que é o senhor, o ser pensante, aquele que estará, eternamente, "exercitando a vida".

O homem consciente da sua imortalidade saberá usar seu discernimento na satisfação das necessidades do corpo e da alma, conseguindo o equilíbrio entre ambos, para um viver prazeroso e produtivo.

Valorizemos, pois nosso corpo físico: feio/bonito, doente/sadio, inteiro/deficiente como um bem valiosíssimo para o Espírito imortal. Cuidemos dele com carinho, com dedicação, com discernimento e gratidão pela oportunidade que ele nos dá de manifestarmo-nos, de expressar nossas emoções, nossos sentimentos, nossos propósitos e ideais, enfim, pela oportunidade de, nesta existência, podermos aprender, ensinar, relacionar com os outros, fazer amigos, perdoar e amar, compreendendo-o como instrumento de evolução do Espírito imortal.

Bibliografia:
•O Livro dos Espíritos - Allan Kardec: Introdução item VI e cap. VII do Livro 2.° - q. 367 a 379a.
•O Evangelho Segundo o Espiritismo - Allan Kardec: cap. XVII. item 11.
(Jornal Verdade e Luz Nº 182 de Março de 2001)

PIB cresceu 9,3% e investimentos 27,8% em março, diz Serasa Experian


A economia brasileira apresentou crescimento de 9,3% em março na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo projeção da Serasa Experian. O desempenho, o melhor desde 1995 de acordo com a empresa, foi sustentado principalmente pelos investimentos produtivos, que avançaram quase 30%.

O resultado representa a maior taxa anual de expansão da atividade econômica desde abril de 1995. Descontados os fatores sazonais, a elevação do Produto Interno Bruto (PIB) mensal registrado em março foi de 1,8% ante o mês anterior.

Segundo a empresa de análise de crédito, sob a ótica da demanda agregada o crescimento da atividade econômica foi determinado pela elevação de 27,8% nos investimentos produtivos (Formação Bruta de Capital Fixo - FBCF) e de 11% no consumo das famílias. Também as exportações, com avanço anual de 18,5% no período, contribuíram para o resultado positivo.

Já do ponto de vista da oferta, o setor industrial foi o grande responsável pelo avanço da atividade econômica, com crescimento de 17,7% frente a março do ano passado. O segmento de serviços apresentou uma alta mais modesta, de 7% na mesma base de comparação. Com o resultado, a variação estimada do PIB do primeiro trimestre de 2010 foi de 2,8% em relação ao trimestre anterior, sinalizando que a economia brasileira cresceu 11,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Esses dados desmentem a opinião dos economistas conservadores de que o ritmo de expansão da economia nacional estaria baseado apenas na expansão do consumo e estaria abaixo do potencial de crescimento da produção em função do baixo nível de investimentos. O fato de as taxas de crescimento dos investimentos (FBCF) e da produção industrial serem bem superiores à do consumo das famílias (27,8% e 17,7% contra 11%) significa que a expansão da demanda terá a contrapartida de um crescimento ainda maior da produção e, portanto, da oferta de bens para o consumo doméstico e exportação, o que afasta o risco de inflação.

Mas a expectativa dos economistas da Serasa Experian é de que o ritmo de crescimento da atividade comece a mostrar desaceleração a partir do segundo trimestre, com a retirada de estímulos fiscais, cortes orçamentários e pelos efeitos da elevação da taxa básica de juros (Selic) promovida pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom).

Vermelho (www.vermelho.org.br)

Crise europeia: sistema bancário é a nova ameaça mundial


arolina Eloy, Jornal do Brasil


RIO - O Banco Central Europeu deve evitar que bancos com títulos de dívida pública da Grécia, de Portugal ou da Espanha quebrem, mas, para economistas, o risco existe. A compra de títulos pelo BCE pode contribuir para aumentar a liquidez dos papéis evitando que problemas de dívida se espalhem pelo sistema financeiro da Europa. Grande parte das dívidas estão nos bancos da Alemanha e da França e, em menor quantidade, nos da Itália.

Quatro instituições de poupança da Espanha assinaram um protocolo de intenções para fundir suas operações, mas mantendo suas marcas e imagens corporativas separadas. A Caja de Ahorros del Mediterraneo, Cajastur, Caja Extremadura e Caja Cantabria disseram em comunicado que planejam formar “um grupo com a ambição de se tornar uma das principais unidades do sistema financeiro espanhol”. O novo banco resultante da fusão terá 135 bilhões de euros em ativos e 2.300 agências. O anúncio é feito dois dias após o Banco Central da Espanha ter anunciado a intervenção na instituição de poupança CajaSur depois que esta não conseguiu chegar a um acordo para se fundir com a Unicaja.

A entidade financeira tem 13 bilhões de euros (US$ 16,35 bilhões) em empréstimos e detém 0,6% do total de ativos do sistema financeiro espanhol. O BC garantiu que o colapso do CajaSur não afetará a estabilidade do sistema bancário espanhol.

O chefe do Departamento de Economia da Confederação Nacional do Comércio (CNC) e ex-diretor de Política Monetária do Banco Central, Carlos Thadeu de Freitas, avalia que, com a insegurança internacional, o risco de contágio para os bancos é grande, mas deve ser evitado com as medidas de austeridade e apoio do BCE.

– As bolsas de valores são prejudicadas com as incertezas e tem impactos negativos imediatos. Já os bancos sofrem com a falta de liquidez e dificuldade de financiamento, mas não devem quebrar – avalia Freitas.

Preocupações com o sistema bancário europeu fizeram as bolsas de valores dos Estados Unidos recuarem segunda-feira, e o índice Dow Jones terminou no menor nível desde 10 de fevereiro, em queda de 1,24%, para 10.066 pontos. No Brasil, a Bovespa terminou o dia em queda de 0,56%, aos 59.915 pontos. O dólar terminou os negócios em leve alta de 0,16%, cotado a R$ 1,864.

Para Freitas, a maior preocupação do mercado é a renegociação das dívidas, o que reduziria o valor dos títulos para os credores. O BCE já comprou pelo menos 26,5 bi de euros em bônus soberanos. No começo do mês, o BCE começou a intervir no mercado de bônus de dívidas soberanas de países da zona do euro para restaurar a confiança dos investidores.

Ernesto Lozardo, professor de economia internacional da Fundação Getulio Vargas (FGV-SP), destaca que o impacto é maior nos bancos de médio porte que têm títulos da dívida, já que enfrentam dificuldade de financiamento superior a das grandes instituições.

– A crise mostrou que os bancos europeus têm problemas como os americanos e vão precisar de ajuda para não quebrar.

O professor da Universidade de São Paulo (USP) Georgio Romano Schutte destaca: “A crise é grave. Deixar um banco quebrar pode ampliar os problemas econômicos da Europa e provocar uma reação em cadeira em outros países. O BCE vai evitar isso”, observa Schutte.


.22:19 - 24/05/2010

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Datafolha confirma disparada de Dilma e queda de Serra


Após as pesquisas recentes dos institutos Vox Populi e Sensus, agora foi a vez de o Datafolha mostrar a arrancada de Dilma Rousseff nas pesquisas de intenção de voto e a queda de José Serra (PSDB). Pela pesquisa, os dois estão empatados com 37% na simulação de 1º turno e com 42% na de segundo turno. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Foram entrevistadas 2.660 pessoas na quinta e sexta-feira.

Na comparação com o levantamento de abril, Dilma subiu de 30% para 37% na disputa de primeiro turno. Já Serra caiu de 42% para 37%. Marina Silva (PV) se manteve com 12% das preferências. As intenções de votos brancos e nulos somaram 5%, e os indecisos são 9%. O Datafolha era o único instituto que ainda sustentava uma vantagem expressiva para o tucano - o que agora desapareceu.

Na pesquisa espontânea, que não mostra os nomes dos pré-candidatos, Dilma lidera com 19%, contra 14% de Serra. A petista cresce num ritmo mais acelerado do que o tucano. A resposta espontânea mostra ainda um grande número de pessoas que citam o presidente Lula e "o candidato do PT". "Em tese, portanto, o potencial de voto espontâneo em Dilma pode ser de 28% - os seus 19% e mais outros 9% dos que desejam votar em Lula, em quem ele indicar ou em um nome apresentado pelo PT", afirma a reportagem do jornal Folha de S. Paulo, proprietário do instituto.

Um item importante apontado pelo Datafolha foi a mudança nos índices de rejeição, favorável à petista, que caiu de 24% para 20% enquanto o de Serra subiu de 24% para 27%.

O levantamento foi realizado na quinta-feira (20) e na sexta (21) com 2.660 entrevistas em todo o país.

sábado, 22 de maio de 2010

Desmatamento na Amazônia cai 50% em relação ao ano passado, diz Inpe


Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou ontem (20) que houve queda de 50% no desmatamento na Amazônia, em relação ao ano passado, quando as taxas de 12,9 mil quilômetros quadrados caíram para 7,4 mil.

Segundo o órgão, sete municípios que entraram no monitoramento no mesmo período registraram redução significativa de aproximadamente 70%. Em contrapartida, durante as fiscalizações foi identificado aumento de retirada de árvores em pequenas regiões, ou seja, fora das florestas.

De acordo com o ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, “os números são algo não imaginado há dois anos. Isso demonstra que o trabalho de monitoramento é importante não só para o Brasil, mas para o mundo”. Segundo o ministro, o problema dos pequenos desmatamentos deve ser fiscalizado e trabalhados em parceria entre os governos estaduais e federais.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, comemorou os resultados obtidos, mas disse que é preciso olhar para a frente e buscar políticas mais eficazes para a região. Segundo a ministra, “é preciso pensar na Amazônia, não só em lugar de preservação ou de combate ao desmatamento. É preciso enxergá-la num quadro de desenvolvimento econômico-social”.

Apesar dos avanços, a ministra reclamou que ainda existem situações que não deveriam mais acontecer quando se trata do desmatamento no país. Ela exemplificou com os casos de retirada de árvores em reservas ambientais e de assentamentos agrários.

Todos os números foram apresentados durante o 7º Seminário Técnico Científico de Análise dos Dados do Desmatamento da Amazônia que começou ontem em Brasília e segue até esta sexta-feira(21), com debates relacionados não só à preservação do bioma da Amazônia, mas também de outros biomas como o do Cerrado e o da Caatinga.

ONU enfatiza importância de acordo entre Brasil, Turquia e Irã


O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, qualificou nesta sexta-feira como importante o acordo obtido nesta semana entre Brasil, Turquia e Irã para que ao Irã envie seu urânio para enriquecimento no exterior. "Esperamos que esta e outras iniciativas permitam uma solução negociada", acrescentou.

O secretário-geral da ONU destacou a necessidade de que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) avalie o acordo nuclear com o Irã do ponto de vista técnico e "profissional". Fechado na segunda-feira, o acordo inclui o compromisso do Irã de enviar ao exterior, especificamente à Turquia, uma quantidade de 1,2 mil quilos de urânio pouco enriquecido para receber no prazo de um ano 120 quilos do combustível enriquecido a 20%, nível suficiente para o reator médico pretendido pelo país.

As declarações de Ban ocorrem enquanto o Conselho de Segurança da ONU analisa a proposta dos Estados Unidos de aplicar uma quarta rodada de sanções internacionais ao Irã por causa de seu polêmico programa atômico, suspeito pelas potências ocidentais de ter fins bélicos, o que é negado pelo regime de Teerã.

O projeto de novas sanções conta com o apoio dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, Rússia, França, China e Reino Unido, os países com direito a veto de resoluções. Eles querem que o Irã detenha o programa de enriquecimento de urânio.

Brasil e Turquia, dois dos dez membros não-permanentes do Conselho, se opõem às novas sanções e defendem negociações diplomáticas para o fim do conflito. Ambos os países consideram o acordo obtido com o Irã um "triunfo da diplomacia" que abriria novas vias para negociar uma solução pacífica ao contencioso. No entanto, os EUA e outras potências ocidentais acham que o Irã tenta apenas, mais uma vez, ganhar tempo para poder continuar com suas aspirações nucleares.

Inclusão social no Brasil cresce mais que PIB, revela estudo


A inclusão social no Brasil especialmente a partir de 2003, com o governo Lula- tem progredido em ritmo mais acelerado do que o do crescimento econômico. Estudo divulgado ontem no XXII Fórum Nacional, do Instituto Nacional de Altos Estudos, sediado no Rio de Janeiro, mostra que entre 2001 e 2008, o Índice de Inclusão Social (IIS) cresceu em média 5,3% ao ano, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) per capita teve uma média de 2,3% no período.

O estudo, elaborado pelo diretor técnico do Fórum, Roberto Cavalcanti de Albuquerque, criou o IIS com base em parâmetros como emprego e renda, educação e acesso a computador, televisão e telefone.

Os dados, na avaliação do deputado Vicentinho (PT-SP), revelam na prática todos os esforços do governo Lula no sentido de promover a inclusão social de milhares de brasileiros que em governos anteriores ficaram à margem das políticas públicas.

"Com o governo Lula, tivemos o maior processo de inclusão social de nossa história. Isso é resultado da política de distribuição de renda implantada pelo governo petista. Essa política é multiplicadora, alimenta o crescimentoo econômico com inclusão social em todas as regiões brasileiras", comentou Vicentinho.

Inclusão

Na análise do deputado José Airton Cirilo (PT-CE), as políticas sociais inclusivas do governo Lula vão muito além do crescimento econômico. "Estamos falando de desenvolvimento humano. O governo Lula tem focado, desde o início do seu governo, a redução do quadro histórico de desigualdade e disparidade social do Brasil. As pesquisas mostram que estamos no caminho certo", avaliou. O parlamentar citou o programa Luz para Todos como um dos mais impactantes na vida das populações mais isoladas. "A universalização do acesso à luz elétrica tem trazido milhares de famílias do século 19 para o século 21", disse.

Estudo

O estudo de Roberto Cavalcanti avaliou a inserção social em 50 áreas geográficas, considerando as cinco regiões do país em seu aspecto rural, urbano e metropolitano, e ainda os 26 estados e o Distrito Federal. O lugar mais bem avaliado foi o Sul metropolitano (que corresponde às grandes Curitiba e Porto Alegre), que registrou IIS de 8,30. Isso o classifica entre as dez áreas de inclusão média-alta (entre 7,50 e 8,50). Depois vem Santa Catarina (8,25) e o Distrito Federal (8,16). São Paulo tem um índice de 7,87 e o Rio de Janeiro 7,52, na décima posição. Nenhuma região teve índice considerado alto (superior a 8,50). A média de todo o país foi 6,56.

De acordo com o estudo, o campo foi o lugar onde há mais exclusão. O IIS do Brasil rural foi 4, o 48°-pior da lista. As menores taxas foram as do Nordeste rural (3,14), e do Norte rural (3,75). A melhor colocação de uma área rural foi 32°, com o Sul rural (5,68). O estado menos inclusivo é Alagoas (4,36).

Os números mostram, porém, que é na área rural que a exclusão social tem diminuído mais rapidamente. O índice do Brasil rural cresceu em média 9% ao ano entre 2001 e 2008 e o do Nordeste rural, 7,9%. No Sul metropolitano, o ritmo foi de 4,2% no período. No Brasil, o ISS variou 5,3% ao ano.

Assistência social ganha cada vez mais importância nas prefeituras brasileiras


As prefeituras do país estão cada vez mais estruturadas para implementar políticas de assistência social. A constatação tem como base os dados do Suplemento de Assistência Social da Pesquisa de Informações Básicas Municipais 2009 (Munic 2009) divulgado hoje (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dados foram comparados com os de 2005 e mostram que houve avanços significativos nesses quatro anos, segundo informou a gerente da pesquisa, Vânia Maria Pacheco.

“Os números mostram que a assistência social está mais do que fincada na estrutura dos governos municipais brasileiros”, disse a pesquisadora, lembrando que, em 2005, por exemplo, em todo o país em apenas 16 municípios não havia nenhuma estrutura organizacional para a área. Em 2009, esse número caiu para quatro. “Isso significa dizer que hoje 99,9% dos municípios têm estruturas voltadas para a política de assistência social”.

No Centro Oeste e no Norte do país, todos os municípios dispõem de estruturas de assistência social. Os dados de 2009 mostram também que 70,1% das prefeituras tinham secretaria exclusiva para executar essa política e em 22,5% a assistência social era implementada junto com outras políticas, como educação e saúde. Em comparação com 2005, as secretarias exclusivas existiam em 59% dos municípios.

Em 2009, 98,3% dos 5.565 municípios consultados disseram ter mais de um instrumento legal regulamentando a assistência social, além da Lei Orgânica Municipal. Em 2005 esse percentual era de 96,6%. Esse aumento, segundo a pesquisadora demonstra um comprometimento maior com o tema. Apenas dois municípios declararam não ter nenhum instrumento legal dispondo de matéria reguladora, como conselhos, fundos, projetos etc.

O número de cidades com Plano Municipal de Assistência Social também cresceu de 91,5% para 93,1%, 2009, sendo que no ano passado, desse total, em 96,7% dos municípios declararam ter seu Plano Municipal regulamentado por instrumento legal. O Plano, que busca otimizar e garantir a efetividade das políticas e ações voltadas para a área da assistência social, era avaliado em 88,8% dos municípios e monitorado em 84% deles, principalmente pelos conselhos municipais de Assistência Social, que estão presentes em 99,3% das cidades.

“Estes são bons indicativos, pois mostram que existe cada vez mais uma maior articulação entre representantes do governo e a sociedade civil, isto, claro, se esses conselhos forem realmente paritários como devem ser”, declarou a gerente da pesquisa.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

O valor da educação


"Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?"
Paulo (I Coríntios, 3:16)

O Espiritismo é essencialmente pedagógico, verdadeira obra de educação. Não é uma doutrina salvacionista que se preocupa só em "salvar as almas". Mesmo porque ninguém está perdido. A Doutrina Espírita propõe a educação. "Educar" vem de "educere", e este "e" significa extrair de dentro para fora, como em "exportar", "excluir", "externar", etc. Educar é desenvolver as potencialidades do ser. Diferente de "instruir" que significa receber de fora as informações, os conhecimentos.

O Espírito possui, desde seu início, todas as qualidades boas, do saber. e das virtudes. Mas estas qualidades estão em germe para serem desenvolvidas. O Criador quis que esse desenvolvimento, o atualizar da potencialidade, fosse trabalho de cada um, para tanto nos dando os meios necessários e adequados.

A educação assim entendida não se reduz ao processo intelectual, ou ao ensino profissional. Não é só preparar o homem para a vida no plano material. É muito mais, tem por objetivo desenvolver as potencialidades do ser integral, isto é, visa o progresso do Espírito.

Este ideal não surgiu com o Espiritismo. É antigo. Sócrates, Platão já ensinavam de acordo com esses princípios. Jesus, que Orígenes chamava de o Pedagogo da humanidade, como verdadeiro Mestre, nos recomendou: "Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e sua justiça, e tudo mais vos será acrescentado". Como o reino de Deus está em nós (Ele também nos ensinou), buscar o reino de Deus é buscar o desenvolvimento do Espírito, é evoluir. Assim, a medida que resolvemos o problema do Espírito, pela educação, todos os outros problemas se solucionam, naturalmente.

Mas esta educação para a transcendência, para um futuro que transcende a vida na Terra, só tem sentido se tivermos convicção de que a vida realmente continua depois da morte do corpo físico. O Espiritismo nos mostra que a morte é apenas transformação. Pelos fenômenos produzidos pelos Espíritos desencarnados, a Doutrina Espírita nos permite formar a convicção sobre a imortalidade. Agora não apenas cremos, e sim sabemos que a vida continua depois da morte do corpo material, porque as manifestações dos Espíritos nos esclarecem plenamente a esse respeito. Ainda há aqueles que alegam não saber e que afirmam, mesmo, ninguém ter voltado do outro mundo para dizer como é a outra vida. São pessoas que não querem saber, insistem em ignorar o fato. Só a lei do progresso, com o tempo, fará com que se modifiquem.

Na questão 799 de "O Livro dos Espíritos", Allan Kardec indaga: De que maneira o Espiritismo pode contribuir para o progresso? Resposta: "Destruindo o materialismo, que é uma das chagas da sociedade, ele faz os homens compreenderem onde está o seu verdadeiro interesse. A vida futura não estando mais velada pela dúvida, o homem compreenderá melhor que pode assegurar o seu futuro através do presente...".

E como entender esse desenvolver das potencialidades do ser, se a grande maioria parece mudar tão pouco durante uma existência? Aí entra outra importante contribuição do Espiritismo, esclarecendo-nos que o processo evolutivo se realiza ao longo do tempo, em muitas vidas, neste e em outros mundos, até atingirmos a perfeição relativa para a qual fomos criados. A evolução do Espírito não se dá numa única existência na Terra. Realiza-se ao longo do tempo. Para isto o Espírito tem o seu livre-arbítrio - liberdade de agir, que amplia a medida que ele evolui. Está dentro da lei do progresso e tem o tempo que necessitar. Assim, a meta da educação sofre total modificação. Não é só para a vida material, mas para o futuro, para a transcendência. Essa educação, esse desenvolver das potencialidades do Espírito, finalidade de nossas vidas, requer esforço, trabalho, muita luta, para subirmos a escada do progresso, que é quase infinita. Assim, compreendemos que é possível esse aperfeiçoamento e que ele é o bem maior. A nossa felicidade depende do patamar evolutivo em que nos achamos. Maior a quantidade de degraus vencidos, maior a felicidade. Razão tinha o filósofo quando afirmou: "Saber é o maior bem; todos os males vem da ignorância".

Emmanuel1 esclarece:

Na semente minúscula reside o germe do tronco benfeitor. No coração da terra, há melodias da fonte. No bloco de pedra, há obras-primas de estatuária. Entretanto, o pomar reclama esforço ativo. A corrente cristalina pede aquedutos para transportar-se incontaminada. A jóia de escultura pede milagres do buril. Também o espírito traz consigo o gene da Divindade. Deus está em nós, quanto estamos em Deus. Mas para que a luz divina se destaque da treva humana, é necessário que os processos educativos da vida nos trabalhem no empedrado caminho dos milênios. Somente o coração enobrecido no grande entendimento pode vazar o heroísmo santificante. Apenas o cérebro cultivado pode produzir iluminadas formas de pensamento. Só a grandeza espiritual consegue gerar a palavra equilibrada, o verbo sublime e a voz balsamizante.

Interpretemos a dor e o trabalho por artífices celestes do nosso acrisolamento. Educa e transformarás a irracionalidade em inteligência, a inteligência em humanidade e a humanidade em angelitude. Educa e edificarás o paraíso na Terra. Se sabemos que o Senhor habita em nós, aperfeiçoemos a nossa vida a fim de manifestá-Lo.

1 do livro "Fonte Viva", cap. 30, psicografado por Francisco Cândido Xavier.

(Jornal Verdade e Luz Nº 183 de Abril de 2001)

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Brasil, o novo líder Global, segundo o El Pais


Leia abaixo a íntegra em espanhol do texto sobre o Brasil e o presidente Lula publciado nesta quinta-feira (20) pelo jornal El País:

Brasil, el nuevo líder global

Previsibilidad, pero sobre todo seriedad. Eso es Brasil. Este es el mensaje que, acompañado de unas cifras apabullantes sobre su gestión, el presidente brasileño, Luiz Inácio Lula da Silva, transmitió ayer en Madrid a los asistentes al encuentro Brasil. Alianza para la nueva economía global, organizado por EL PAÍS y el diario brasileño Valor Económico. Y con una coda importante: "Es un camino sin retorno", subrayó el ex sindicalista.

En la recta final de su gestión -en octubre se celebrarán elecciones presidenciales y el 1 de enero de 2011 abandonará el poder-, Lula expuso ante numerosos empresarios españoles y brasileños varias pinceladas de lo que ha supuesto su paso por la residencia presidencial de Planalto. El mandatario se marcha con 14 millones de puestos de trabajo creados, con 30 millones de pobres incorporados a la clase media y con poder de consumo y con el número de plazas en universidades estatales duplicado. "Y además a nadie le inquieta quién va a ganar las elecciones. Ese es el gran cambio en Brasil", apostilló el presidente, quien además apuntó otro gran cambio en la estrategia brasileña: "Hay muchas empresas e inversiones españolas en Brasil, es la hora de que haya inversiones brasileñas en España", dijo.

Improvisando, con apenas unas notas delante, Lula trenzó en su discurso la modestia personal con el orgullo nacional brasileño y el aviso de que el gigante sudamericano se ha despertado y exige voz y voto en la escena internacional. En toda. "Brasil será una gran potencia económica, pero queremos transformarnos en un gran agente político. Los números son sólidos y el país es serio y previsible, y ahora seremos un actor global", anunció. Y así, asumiendo el papel de líder de un país con peso económico internacional, el presidente brasileño estuvo especialmente duro con la gestión europea de la crisis económica y financiera. "¿Por qué Alemania se ha demorado tanto en ayudar a Grecia? ¿Por qué Europa ha tardado tres meses en ayudar a Grecia? Los países dependían de una decisión colectiva que de colectiva no tenía nada. Se trataba de que Alemania dijera sí". Y dirigiéndose a Felipe González, presente en la sala, tuvo palabras para el presidente del Gobierno, José Luis Zapatero: "Está pagando por algo de lo que no tiene la culpa y mientras los verdaderos responsables hacen como si no tuvieran nada que ver, España, Portugal o una Europa debilitada sufren las consecuencias".

Acto seguido explicó la actitud de su Administración ante la crisis. "Hemos tomado todas las medidas necesarias ante la crisis. No me imagino qué más se puede hacer. Deben saber que en Brasil la televisión está haciendo auténtica apología del consumo. La televisión les dice a los brasileños 'si usted no está comprando porque tiene miedo de que pueda perder su empleo, terminará perdiéndolo. Compre', y tengo que decir que son las clases más bajas del país las que han respondido, las que más han consumido".

Con tono apasionado y dirigiéndose al auditorio en ocasiones con la expresión "compañeros y compañeras", Lula expuso algunos ejemplos concretos de cómo ha mejorado la vida de los brasileños. Y lo hizo con el mismo lenguaje que utiliza en Brasil y que le ha permitido conectar con el electorado del gigante sudamericano de 180 millones de habitantes. "Cuando pregunté a los bancos por qué no se daban créditos a la gente me contestaron: 'porque luego no los pueden pagar'; estaban negando el derecho a la vivienda". "Hemos tenido que acabar con la mentalidad derrotista. Cuando llegamos al poder se escuchaba 'Brasil está en quiebra', 'Brasil tiene una deuda insoportable'. ¡Y eso te lo dicen tus propios compañeros!". "Al llegar al poder me encontré con cuestiones que parecían simples pero que no se resolvían: ¿Por qué no se puede pagar un salario que permita a la gente comprar?".

Levantando una sonrisa en el auditorio, Lula reconoció sus limitaciones. "No soy economista, pero cuando llegué al poder supe que había que debatir sobre economía... y de debates sé mucho". El hombre que convirtió al Partido de los Trabajadores en la primera fuerza política de Brasil recordó los tres pasos básicos que dio al llegar a la presidencia. "Había que probar que era compatible hacer crecer la economía de país y distribuir la renta; que es posible exportar y a la vez hacer crecer el mercado interno, y que aumentar el salario mínimo no quiebra el sistema de previsión social y no dispara la inflación".

Lula considera como uno de sus grandes éxitos el haber terminado con la dicotomía público / privado en la concepción de la política económica. "Es una discusión equivocada", opinó para poner como ejemplo una de sus primeras medidas: la compra por el Estado del 50% de una entidad de crédito privada precisamente para estimular el consumo.

El resultado, más allá de las cifras económicas -y de la aspiración confesada ayer por el propio presidente de convertir a Brasil en la quinta economía del mundo- es resumido por Lula en una palabra: autoestima. "Siempre nos habían dicho que éramos mediocres. Todo lo del exterior era mejor y había quien le daba vergüenza decir que es brasileño. Eso se ha acabado en el Brasil de hoy. De hecho, el pueblo brasileño es de los más trabajadores y creativos".

Brasil reclama desde hace años un puesto permanente en el Consejo de Seguridad de Naciones Unidas, una iniciativa en la que no tiene el respaldo de España más partidaria del aumento de la representación y equilibrio regional en el órgano. "No estamos de acuerdo con el actual modelo de gobernanza mundial de la ONU surgido en 1945. Hay que dar más presencia a África, a América Latina a India y a Japón. Cuantas más decisiones se tomen fuera de la ONU, más decisiones serán unilaterales. Si la ONU sigue así vamos a tener problemas", advirtió. Lula fue más lejos e incluso puso en duda la importancia de foros de reciente creación como el G-20. "El G-20 funcionó en un primer momento, pero su poder de decisión es escaso. La cuestión ahora es ¿cuál es el organismo multilateral que regula el funcionamiento financiero?".

Lula terminó reivindicando su negociación directa ante Irán en la cuestión de la crisis nuclear. "Sin involucrar a más actores no podemos tener tranquilidad en Oriente Medio".

Emprego no setor metalúrgico cresceu 60% nos últimos sete anos, aponta Dieese


Pesquisa realizada pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) informa que o setor metalúrgico está perto de retomar os níveis de emprego do fim dos anos 1980, quando ocupava 2,4 milhões de trabalhadores. As empresas do setor abriram 900.000 vagas ao longo da última década.

O levantamento revela que a metalurgia ocupa hoje 2,1 milhões de pessoas. De 2002 a abril de 2010, a expansão foi de 60%. No ritmo atual, prevê o Dieese, o recorde registrado no biênio de 1987-1988 será batido ao longo do próximo ano.

A situação só não é melhor por causa da crise econômica internacional que afetou o Brasil a partir de setembro de 2008 e até o fim do primeiro semestre do ano passado. Durante o Governo Lula, o mercado de trabalho no setor vinha se expandindo mensalmente, mas, entre outubro de 2008 e julho de 2009, se retraiu fortemente.

O presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos, Carlos Grana, acusa os empresários de aproveitarem a crise para demitir trabalhadores mais antigos, aumentando a rotatividade e recontratando a valores mais baixos. "Houve um exagero. E seria um caos se tivéssemos entrado na onda de alguns empresários que, em janeiro de 2009, queriam reduzir jornada e salário.”

Os cortes não foram maiores, na avaliação de Grana, porque o governo Lula reduziu o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e criou ou dinamizou linhas de crédito do BNDES.

O Dieese concluiu que, mesmo durante a crise, a indústria naval manteve o fôlego. O estudo prevê que o quadro vai melhorar ainda mais nesse segmento, com expectativa de que os investimentos cresçam 58% entre 2010 e 2013, na comparação com 2005-2008.O cenário positivo para a metalurgia tem resultado em ganhos para os trabalhadores. O aumento salarial real acumulado entre 2004 e 2009 é de 14,21%.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Adultos de 30 a 39 anos só têm mais três dias para tomar vacina contra H1N1


Campanha de imunização termina na próxima sexta-feira. Brasil já aplicou mais de 15% do total das doses de vacina distribuídas no mundo.

O Brasil já aplicou mais de 15% de todas as doses de vacina contra H1N1 distribuídas em todo o mundo. Até a última sexta-feira, 57 milhões de brasileiros dos grupos prioritários foram até os postos de saúde para receber a vacina. O último grupo prioritário, composto por adultos de 30 a 39 anos, tem até sexta-feira para se imunizar. Dos 30 milhões de pessoas nessa faixa etária, o Ministério da Saúde pretende vacinar pelo menos 24 milhões, ou seja, 80%.

Nas regiões Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste também está em curso a vacinação contra gripe comum para idosos. Eles também têm até o dia 21 de maio para procurar os postos de saúde e receber a dose, antes da chegada do inverno. Esta etapa, que começou mais tarde nessas regiões devido ao atraso na entrega das vacinas pelo Instituto Butantan, já vacinou quase 9 milhões de pessoas com 60 anos ou mais.

É importante lembrar que os idosos portadores de doenças crônicas também devem ser imunizados contra a gripe H1N1. O Ministério da Saúde recomenda que os estados e municípios que ainda não atingiram as metas de vacinação contra H1N1 montem estratégias para vacinar os públicos-alvos cuja cobertura não atingiu os 80% preconizados.

Os profissionais de saúde e as crianças menores de 2 anos já superaram a meta e vacinaram 100% do público-alvo. Nos demais grupos, o Ministério da Saúde contabiliza a vacinação de 86% dos portadores de doenças crônicas (18,1 milhões), 66% das gestantes (2 milhões) e 75% de adultos de 20 a 29 anos (26,4 milhões). No grupo de 30 a 39 anos, 8 milhões de doses foram aplicadas até o momento, o equivalente a 27% da meta. A ampliação da estratégia para os adultos de 30 a 39 anos, anunciada em fevereiro, considerou o grupo com maior número de hospitalizações e mortes depois daqueles priorizados nas etapas anteriormente definidas.

As gestantes que ainda não se vacinaram também podem procurar os postos de vacinação. Além disso, os responsáveis por crianças entre 6 meses e menores de 2 anos devem ficar atentos para aplicar a segunda meia dose da vacina, feita trinta dias depois de tomada a primeira.

INTERNAÇÕES – Em 2010, foram registradas 540 internações por gripe H1N1, até o dia 8 de maio. Desse total, 60,5% apresentavam pelo menos uma condição de risco para gravidade, e 17,5% eram mulheres grávidas. Em relação às mortes, um total de 64, as mulheres correspondem a 75% do total e as gestantes, a 30%.

No ano passado, de 2.051 óbitos registrados, 1.539 (75%) ocorreram em pessoas com doenças crônicas. Entre as grávidas (189 morreram, ao todo), a letalidade entre os casos graves foi 50% maior que na população geral. Adultos de 20 a 29 anos concentraram 20% dos óbitos (416, no total). As crianças menores de dois anos tiveram a maior taxa de incidência de complicações no ano passado (154 casos por 100 mil habitantes). E, finalmente, os adultos entre 30 e 39 anos, que representam a maior parcela de mortes – 22% do total.


Outras informações
Atendimento à Imprensa
(61) 3315 3580 e 3315 2351

Fonte: http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&id_area=124&CO_NOTICIA=11322

O Evangelho na Doutrina Espírita


Alguns segmentos religiosos mantém em seu discurso uma acusação grave contra a Doutrina Espírita, a de que nossa doutrina não é baseada nos ensinos de Jesus. É comum ouvirmos padres e pastores afirmarem que o Espiritismo é doutrina do demônio, e que os espíritas desconhecem o Evangelho.

Primeiro, há necessidade de se esclarecer o entendimento sobre o demônio, palavra de origem grega, daimon, que significa gênio ou protetor familiar. Sócrates, famoso filósofo grego, dizia conversar constantemente com seu daimon, de quem recebia orientações de ordem moral. Portanto, a palavra demônio só muito mais tarde veio receber a acepção de um ser criado para fazer o mal, concepção essa contrária ao bom senso e à lógica, pois se Deus, o Criador, é todo bondade, amor e justiça, não pode criar um ser destinado, por toda a eternidade, a fazer o mal, sem condição alguma de progresso. O reconhecimento da existência do daimon sanciona a crença na imortalidade da alma, na continuidade da vida após a morte e na comunicabilidade dos espíritos com os homens, e nada tem a ver com a maldade absoluta, pois a crença espírita é a da existência de espíritos imperfeitos, ainda se comprazendo no mal, mas que, pela lei do progresso, irão caminhar paulatinamente para o bem.

Quanto à argumentação de que o Evangelho não faz parte do Espiritismo, façamos um pequeno estudo de "O Livro dos Espíritos", a obra básica da doutrina. Logo no frontispício, a página de abertura da obra, lemos: "O Livro dos Espíritos, contendo os princípios da Doutrina Espírita sobre (...) as leis morais (...) segundo o ensinamento dos Espíritos Superiores (...)". Perguntamos: que leis morais? São aquelas inscritas nos Dez Mandamentos e que servem de fundamento aos ensinos e exemplos de Jesus.

No item seis da Introdução, quando resume os pontos principais da Doutrina, baseado nos ensinos do Espíritos, Allan Kardec expressa a crença em Deus como condição básica da fé espírita. Depois informa: "A moral dos Espíritos Superiores se resume, como a do Cristo, nesta máxima evangélica: "fazer aos outros o que desejamos que os outros nos façam", ou seja, fazer o bem e não o mal. O homem encontra nesse princípio a regra universal de conduta, mesmo para as menores ações." Como podemos perceber, é um ensino de Jesus recomendado como princípio universal de conduta para o homem.

Na mensagem dos Espíritos Superiores que antecede os estudos na forma de perguntas e respostas, lemos: "A vaidade de certos homens, que crêem saber tudo e tudo querem explicar à sua maneira, dará origem a opiniões dissidentes; mas todos os que tiverem em vista o grande princípio de Jesus (acima referido) se confundirão no mesmo sentimento de amor ao bem e se unirão por um laço fraterno que envolverá o mundo inteiro; deixarão do lado as mesquinhas disputas de palavras para somente se ocuparem das coisas essenciais." Novamente a alusão a Jesus e seus ensinos, desta vez como roteiro para união das doutrinas religiosas.

A primeira parte de "O Livro dos Espíritos", tratando das Causas Primárias, faz um amplo estudo sobre Deus e a criação divina, e se o Espiritismo nenhuma relação tivesse com o Evangelho, não poderia construir seu edifício doutrinário na crença em Deus, pois toda a cristandade, seja ela católica ou protestante, baseia-se na crença divina.

Na segunda parte, estudando o Mundo Espírita ou dos Espíritos, compreendemos que os Espíritos são os próprios homens desencarnados, e que tudo no universo é regido pela lei de Deus, e que temos o progresso intelectual e também o progresso moral, e que é este último o que distingue as diferentes ordens de Espíritos. Mais uma vez a questão moral como base do pensamento espírita.

Quando Allan Kardec chega à terceira parte, As Leis Morais, nenhuma dúvida temos quanto a estar o Espiritismo intimamente ligado ao Evangelho. Basta lermos a questão 625: Pergunta: "Qual o tipo mais perfeito que Deus ofereceu ao homem, para lhe servir de guia e modelo?" Resposta: "Vede Jesus." A seguir o Codificador faz este comentário: "Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que pode aspirar a Humanidade na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão de sua lei, porque ele estava animado do espírito divino e foi o ser mais puro que já apareceu na Terra."

Jesus como guia e modelo da Humanidade e mais, a sua doutrina, ou seja, os seus ensinos, como expressão perfeita da lei divina fazem parte dos princípios básicos do Espiritismo, não havendo possibilidade, portanto, do espírita estar desligado do Evangelho ou não poder ser considerado cristão.

O que acontece é que o Espiritismo não considera o Evangelho ao pé da letra. Temos que o Evangelho é o conjunto de escritos dos discípulos e apóstolos sobre Jesus, recorrendo os mesmos para essa tarefa, da sua memória e de anotações diversas. Não transcreveram fielmente a vida e obra de Jesus, e cada um escreveu de acordo com seu ponto de vista, sofrendo maior ou menor influência da cultura judaica. Também o Evangelho sofreu mudanças nas traduções para outras línguas e recebeu acréscimos e decréscimos por parte da Igreja Católica, o que é fato histórico. Assim, o Espiritismo considera unicamente os ensinos morais de Jesus, tomando todo o resto da obra como subsídio histórico, o mesmo acontecendo com os escritos que compõem o Velho Testamento, ou Bíblia.

O espírita não se preocupa em decorar capítulos e versículos para recitá-los mecanicamente, pois sua meta é a vivência dos ensinos morais do Mestre Jesus, e essa vivência deve ser exercida através do amor ao próximo.

Evangelho e Espiritismo são indissociáveis, e quem afirma o contrário o faz por desconhecimento ou má fé. Não encontrando na prática espírita os fundamentos das cerimônias e dos rituais litúrgicos e nem das recitativas evangélicas de missas e sermões, condenam o Espiritismo julgando-o pela superfície, quando, se o estudassem, encontrariam a caridade recomendada por Jesus em ação, no silêncio de quem dá com a mão direita sem estender a mão esquerda para receber, como recomendou o guia e modelo da Humanidade.

(Jornal Verdade e Luz Nº 182 de Março de 2001)
Fonte: http://portalespirito.com/verdade-e-luz/o-evangelho-na-doutrina.htm

Petrobras é a maior empresa da América Latina


A estatal brasileira Petrobras é a maior empresa de capital aberto da América Latina, em termos de faturamento, segundo levantamento da consultoria Economática. Considerando apenas as companhias privadas, a mexicana América Móvil (telecomunicações) lidera a lista, seguida de perto pela mineradora brasileira Vale.

A América Móvil é uma das maiores operadoras de telefonia móvel do mundo e a maior da América Latina, detém a operadora Claro no Brasil.

O ranking foi elaborado pela Economática a partir dos balanços de 2009 e abrange uma amostra de 776 empresas, levando em conta o critério do volume de vendas.

Em relação a 2008, as vendas somadas das 30 maiores empresas (US$ 488,7 bilhões) tiveram um aumento de 14,6%. A maior parte (14) das posições dessa lista continua a ser preenchida por empresas brasileiras; há nove mexicanas, quatro chilenas, duas argentinas e uma colombiana.

Somente as vendas da Petrobras (US$ 104,5 bilhões) representam 21,5% do acumulado pelas 30 maiores empresas do ano passado. A América Móvil teve faturamento de US$ 30,2 bilhões, enquanto a Vale apurou US$ 27,8 bilhões.

Veja abaixo da lista das 30 maiores empresas latino-americanas, por vendas (US$ bilhões)

1) Petrobras (104,93)
2) América Móvil (30,20)
3) Vale (27,85)
4) Ultrapar (20,74)
5) Wal Mart do México (20,69)
6) JBS (19,70)
7) Ecopetrol (18,12)
8) Telemar (17,12)
9) Gerdau (15,24)
10) Cemex (15,13)
11) Fomento Econ. Mex. (15,08)
12) Eletrobrás (14,96)
13) Pão de Açúcar (13,35)
14) AmBev (13,32)
15) Enersis (11,99)
16) Cencosud (10,51)
17) Copec (9,95)
18) Vivo (9,39)
19) BRF Foods (9,13)
20) Telefs de México (9,11)
21) Telesp (9,07)
22) YPF (8,96)
23) Bimbo (8,90)
24) Alfa (8,85)
25) Braskem (8,75)
26) Tenaris (8,14)
27) Coca Cola Femsa (7,86)
28) Tim (7,52)
29) Telmex Interna (7,08)
30) Falabella (6,95)

segunda-feira, 17 de maio de 2010

O Espírita e a Política


Aproximam-se as eleições municipais, e como não poderia deixar de ser, os centros espíritas são cortejados por candidatos à procura de votos, oferecendo vantagens inúmeras e promessas falazes. Quase sempre esbarram numa resistência férrea, de muitos espíritas, que não admitem intromissão política nas instituições doutrinárias, no que fazem muito bem.

Infelizmente nem todos tem esse cuidado, e por outro lado, alguns exageram e propõem a criação de um partido espírita, para fazer frente aos lobbys religiosos que se formam nos cenários políticos do país, procurando alcançar seus propósitos proselitistas. Até hoje o bom senso espírita tem prevalecido e nos livramos dessa possibilidade.

Entretanto, se as instituições espíritas não devem se envolver com a política, o espírita é cidadão e deve exercer os seus direitos políticos com honradez. Aqueles que tem vocação política devem procurar exercê-la, mas como lembra o Prof. Herculano Pires, deverão revestir-se de honestidade até a medula.

É muito bom que, a política militante, que agita sentimentos, que perturba, que separa pessoas nas suas relações de amizade e, não raro, até familiares, fique longe das nossas Instituições Doutrinárias, mas já não podemos dizer o mesmo da política vista como ciência superior que trabalha por melhores condições de vida, portanto, uma política de regras morais para o bem estar do povo, essa é bem-vinda.

Rui Barbosa, o extraordinário estadista brasileiro que recebeu o título de Águia de Haia, pela sua atuação na Conferência Internacional, realizada naquela capital, ao ser admoestado pelo presidente da Assembléia, após um seu pronunciamento, porque a política estava excluída dos debates, ele respondeu: "A política, no sentido mais corrente da palavra, essa ninguém discute, está-nos absolutamente vedada. Nada temos a ver com os assuntos internacionais, com as contendas que dividem as nações, os litígios de amor próprio, de ambição ou de honra, as questões de influência, de equilíbrio ou de predomínio, aquelas que conduzem ao conflito ou à guerra. Quanto a outra, na elevada acepção do termo, a mais alta e nem por isso menos prática, no que se relaciona com os interesses supremos que unem as nações, umas com as outras, acaso pode ser-nos vedada esta política? Não, senhores".

O que queremos dizer com este trecho do discurso de Rui Barbosa, é que a política, como concebida por Rui, não é vedada aos espíritas, porque trata-se da justiça social, da convivência entre as pessoas, do amor fraterno.

Trata-se da construção de um mundo melhor, de paz, harmonia e dignidade, onde todos tenham o suficiente para viver, onde não exista fome, pobreza, ignorância. Onde exista assistência médica, emprego, lazer e escolas em todos os níveis, para todos. Onde a criança e o idoso sejam prioridade. Onde a vida seja vivida com dignidade.

Essa é a política a que todos espíritas devem estar engajados, e como eleitores, precisamos votar em candidatos que se afinem com essas idéias e vivam esses ideais.

(Jornal Verdade e Luz Nº 176 de Setembro de 2000)

Crédito da Caixa para casa própria já supera R$ 22 bilhões


Os financiamentos concedidos pela Caixa Econômica Federal para compra da casa própria, do início de janeiro a 10 de maio, somaram R$ 22,7 bilhões – valor 123% maior do que os R$ 10,18 bilhões emprestados no mesmo período de 2009 e quase igual aos R$ 23 bilhões emprestados em todo o ano de 2008.

A expectativa do banco é de que mais R$ 55 bilhões de crédito imobiliário sejam contratados até dezembro. Parte desse volume deverá resultar, já nas próximas semanas, dos feirões da Casa Própria que a instituição realizará em 13 cidades, até 11 de junho, oferecendo 450.000 imóveis novos, usados e na planta. A série de feiras foi iniciada em Belém (PA). Em três dias, de 7 a 9 de maio, foram vendidos 2.323 imóveis que movimentaram R$ 239 milhões.

Ontem (13) o feirão foi aberto em São Paulo e hoje será iniciado em Fortaleza, Salvador e Curitiba. Na capital paulista, vai durar até amanhã; nas outras três capitais, terminará domingo.

Dilma apoia projeto da ficha limpa aprovado na Câmara


A pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, afirmou hoje (14) que apoia o projeto da ficha limpa aprovado pela Câmara dos Deputados, que impede candidaturas de concorrentes que tenham sido julgados e condenados por colegiados da justiça. Segundo ela, os deputados chegaram a um acordo importante e consistente. A avaliação foi feita após a missa dos excluídos, que faz parte do Congresso Eucarístico Nacional.

“Acho esse um projeto importante. Acho que chegaram lá na Câmara a um acordo importante, que eu achei um acordo bastante consistente, porque a partir daí você tem um quadro claro em que condições um candidato que foi acusado e condenado. É absolutamente correto que ele não possa se candidatar naqueles termos aprovados na Câmara”, comentou.

Dilma disse que aguarda a avaliação do Senado, mas que pelo seu entendimento até agora, infelizmente as novas regras não podem ser adotadas imediatamente. “Acredito que Senado vai avaliar e expressar sua opinião, não sei qual vai ser, mas eu concordo com o processo e lamento que ele não pode ser aplicado nessa eleição, pelo menos por tudo o que aprendi”, comentou.

www.dilmanaweb.com.br

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Em sete anos, mais de 30 mil trabalhadores escravos foram libertados



Nos últimos sete anos, 30,6 mil trabalhadores foram libertados de condições análogas à escravidão em todo o país, segundo dados do Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Os números foram divulgados nesta quinta-feira (13), quando se completam 122 anos da abolição da escravatura. Desde 1995, ainda de acordo com os dados do MTE, foram 36,8 mil pessoas resgatadas.

De acordo com o Código Penal Brasileiro, submeter uma pessoa a trabalhos forçados, a jornadas exaustivas, a condições degradantes e restringir a locomoção em função de dívidas com o empregador ou preposto são práticas que configuram crime.

O Grupo Especial de Fiscaliação é composto por equipes de verificam denúncias. Desde janeiro deste ano, foram encontrados 653 trabalhadores em situação análoga à escravidão. Em 2009, a ação concentrou-se em propriedades rurais, com um aumento de 14% em relação ao ano anterior.

As denúncias de trabalho escravo são recebidas diretamente pela Secretaria de Inspeção, pelas Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego ou pelas diversas instituições parceiras, como a Comissão Pastoral da Terra, Ministério Público do Trabalho, Ministério Público Federal e Departamento de Polícia Federal, dentre outros. Após uma análise , as denúncias passam por uma triagem e definição de prioridades de atendimento.

Além da fiscalização, uma lista suja funciona desde 2004 para apontar empresas que usam mão-de-obra escrava ou contratam prestadoras de serviço que recorrem a essa prática. As empresas pertencentes à "cadeia produtiva do trabalho escravo no Brasil" passam a ter restrições de crédito em bancos públicos e por redes de varejo e de exportadores.

Desde 2002, existe uma modalidade especial de seguro-desemprego voltado ao trabalhador libertado. Pessoas nessas condições têm direito a três meses de seguro no valor de um salário mínimo.

Rede Brasil Atual (www.redebrasilatual.com.br)

Trabalhador pobre foi quem mais ganhou entre 2002 e 2008, diz estudo do Ipea


Os trabalhadores com menor salário e menos qualificação foram os mais beneficiados com aumento da renda, no período 2002/2008, segundo estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgado ontem (13).

“A Evolução Recente dos Rendimentos do Trabalho e o Papel do Salário Mínimo” mostra que os ganhos do salário mínimo, sobretudo a partir de 2004, foram os fatores que mais contribuíram para o aumento da renda. Mostra também que os trabalhadores mais qualificados perderam renda, excetuados aqueles que atuavam em setores favorecidos por investimentos estatais, como infraestrutura e energia.

Num período em que a renda média nacional do trabalho aumentou 7,58%, os pequenos agricultores acumularam ganhos de 21,15%; os salários dos trabalhadores domésticos cresceram 15,36%; os trabalhadores não brancos obtiveram alta de 17,92%; aqueles com até quatro anos de estudo tiveram aumento de 12,39%; os trabalhadores das áreas rurais aumentaram seus ganhos em 28,15%; e os nordestinos passaram a ganhar 19,69% a mais.

Ao contrário destes, os trabalhadores mais qualificados sofreram perdas salariais entre 2002 e 2008. Quem tinha mais de 11 anos de estudo perdeu 12,76%. Professores e profissionais das áreas de ciências biológicas e de saúde foram os que mais perderam. Médicos e enfermeiros, por exemplo, amargaram perdas que somaram 5%. Os professores com formação superior tiveram perda de 2,6%.

“O salário desses profissionais destoa do nível de escolaridade e destoa também do resto. Com isso, conclui-se que não há valorização dos profissionais que cuidam da nossa educação e da nossa saúde”, assinalou Sandro Carvalho, pesquisador do Ipea.

Para o pesquisador, a tendência, no curto prazo, é de que não haja aumento da demanda por profissionais mais qualificados, por causa da atual estrutura da economia do país, voltada para a exportação de commodities, e da desestabilização das economias da Europa e dos Estados Unidos, países compradores de produtos industrializados brasileiros. “As empresas brasileiras não exigem grande qualificação. Tem havido um aumento da oferta, mas não há, em contrapartida, um aumento da demanda por esses profissionais de nível superior”.

Segundo Sandro Carvalho, para que a mão de obra qualificada seja mais valorizada é preciso que o país desenvolva uma política industrial. “Não podemos ficar presos a essa condição de fornecedores apenas de matéria-prima e de serviços com pouca qualificação. É preciso investir na qualificação e, ao mesmo tempo, em uma política para aumentar a demanda por essa qualificação”.


Fonte: http://www.pt.org.br/portalpt/noticias/governo-lula-10/trabalhador-pobre-foi-quem-mais-ganhou-entre-2002-e-2008-diz-estudo-do-ipea-4519.html

Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira - PROBIO


A Biodiversidade representa uns dos mais importantes fundamentos do desenvolvimento cultural, social e econômico da espécie humana, sendo que sua conservação e utilização sustentável são necessárias para garantir a nossa sobrevivência no planeta a médio e longo prazo. O principal instrumento formal para garantir a conservação da biodiversidade é a Convenção sobre Diversidade Biológica-CDB, documento que foi adotado e aprovado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro, em junho de 1992. O Brasil teve um papel de destaque nessas negociações e foi o primeiro signatário da Convenção. Esse interesse deriva do fato de que o Brasil é, de longe, o maior detentor de biodiversidade do planeta.

Visando a implementação da CDB o Governo Brasileiro criou o Programa Nacional da Diversidade Biológica-PRONABIO, por meio do Decreto 1.354, de 29 de dezembro de 1994, e iniciou negociações com o GEF para receber recursos de doação para implementação de um projeto que apoiasse a implementação da PRONABIO.

O Governo Brasileiro e o Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento - BIRD assinaram em 5 de junho de 1996 o Acordo de Doação TF 28309 de US$ 10 milhões do Fundo para o Meio Ambiente Mundial - GEF, e recursos de contrapartida do tesouro nacional equivalentes a US$ 10 milhões, destinados à execução do Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira - PROBIO. Este Acordo tem vigência até 31 de dezembro de 2005.

O PROBIO é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente - MMA em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, este na qualidade de gestor administrativo, contratando os subprojetos e liberando recursos. O PROBIO é o mecanismo de auxílio técnico e financeiro na implementação do Programa Nacional da Diversidade Biológica - PRONABIO, tendo todas as suas ações aprovadas pela Comissão Nacional de Biodiversidade - CONABIO, fórum responsável pela definição de diretrizes para implementação do PRONABIO e da Política Nacional de Biodiversidade. O objetivo do PROBIO é identificar ações prioritárias, estimulando subprojetos que promovam parcerias entre os setores públicos e privados, gerando e divulgando informações e conhecimentos no tema.

A parceria com o CNPq foi oficializada, inicialmente, pela assinatura do convênio nº 149/96 firmado entre o MMA, MCT e CNPq e, posteriormente, pelo convênio nº 101/01 também entre as três instituições.

Agradecimentos:
Aos técnicos do PROBIO e fotógrafos (Gustavo Mozzer, José Sabino/Natureza em Foco, Alvaro Migotto, Magno Botelho e André Jean Deberdt) que gentilmente nos cederam as imagens utilizadas neste site.


Fonte: http://www.mma.gov.br/sitio/index.php?ido=conteudo.monta&idEstrutura=14

Repondo os nutrientes perdidos durante o regime


A alga marinha Chorella, ou Chlorella, chegou a ser vista, por uma parte da comunidade científica mundial, principalmente na Alemanha, Estados Unidos e Japão, como a solução para o problema da fome mundial.

Essa empolgação se deve ao fato da Chlorella ser constituída por 60% de proteínas e multiplicar-se muito rapidamente.

Essa alga é uma forte aliada nos tratamentos de emagrecimento, pois repõe os nutrientes perdidos com a dieta, além de dar uma sensação de saciedade e diminuir o apetite.

Além disso, ela pode ser usada, também, para fortalecer o sistema imunológico, reforçando as defesas do organismo.

É importante sempre evitar as dietas "milagrosas" que, além de não representar um resultado significativo, pode colocar em risco a nossa saúde.

Confira nossas dicas e consulte sempre um profissional da área.